TAISY + ALESSANDRO = RAFAELA

Guia Infantil

sábado, 4 de dezembro de 2010

RAFAELA ENGATINHANDO - 9 meses

PRIMEIRO ANINHO

O primeiro aninho de um bebê


O primeiro aninho é cheio de alegria. O bebê nasce e muitas mamães já planejam sua primeira festinha. Mas essa primeira festinha com certeza é diferente de todas as outras que virão. Por quê? Porque além de ser o primeiro aniversário de seu bebezinho, tudo é por conta dos pais. A escolha do tema, dos convidados, das
músicas, da decoração, lembrancinhas, etc.
Nesta idade, o bebê não tem consciência do que está acontecendo realmente. Ele sabe que tem barulho, música, um monte de gente que o beija e o abraça, mas por quê? Ele não compreende exatamente o que está se passando ao seu redor. E por causa disso vamos deixar de comemorar? Não! Seu bebê merece. Pode ser somente um bolinho
para a família e os mais chegados, mas tem que ser comemorado de alguma
forma. Lembre-se sempre de registrar esses momentos maravilhosos, seja fotografando ou filmando.
Os principais temas que os pais de bebês de um aninho escolhem são: Cocoricó, Hello Kitty, Carros, Moranguinho, Floresta, Baby Disney, Backyardigans, Circo, Bob Esponja, Ursinho Puff e Looney Tunes Baby.
Partindo desse princípio aqui vão algumas dicas:
• Lembre-se de que o aniversariante é um bebê. Independente de onde vai ser a festa, em casa, no buffet, na casa da sogra ou no salão de festa, ele precisa de um lugar sossegado para tirar um cochilo ou se acalmar. É normal seu filho se assustar com o barulho ou o excesso de beijos e abraços.
• Não exagere. Deixe a superprodução para quando seu bebê souber o que estão comemorando. E quando tiver como convidados seus próprios amigos e não só os primos e os filhos dos seus amigos.
• Se quiser escolher um tema, escolha um neutro como cores, circo, fazenda ou música. Deixe os personagens para quando o aniversariante puder escolher, assim você não queima opções.
• Deixe alguém responsável por tirar muitas fotos ou contrate um fotógrafo. Seu filho pode não lembrar da festa, mas vai adorar mais tarde ver as fotos do seu primeiro aniversário. Só não assuma essa função porque você vai ter centena de outras tarefas.
• Se for fazer em casa, não tente fazer tudo sozinha. Às vezes o barato sai caro e se você não tem prática em organizar festas contrate alguns profissionais ou reúna pessoas da família para uma força tarefa.

http://www.e-familynet.com/artigos/articles.php?article=130

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

ENGATINHAR



Perigos de acidente, chão “sujo” com possibilidade de contágio de doenças, somado à maior demanda de atenção dos pais, vovós ou babás.

Isso tudo está fazendo com que engatinhar fique para trás.
As crianças de hoje estão engatinhando menos do que as crianças de antigamente.
O que é um retrocesso.

E para aumentar essa estatística nada boa, existe hoje no mercado várias cadeirinhas, cadeirões, chiqueirinhos, bebê conforto e carrinhos que deixam as crianças sentadas, enquanto os pais podem fazer o que quiser, pois o pimpolho, estará lá, sempre sentadinho.

Para Sally Blythe, especialista em desenvolvimento infantil, coordenou um estudo em que relacionou a falta de engatinhar com dificuldades em aprender a ler e escrever.

A especialista estudou 70 crianças de 8 a 10 anos divididas em dois grupos, um com crianças apresentando dificuldades na leitura e escrita, e o outro sem queixas no aprendizado.

Ao fim do estudo, percebeu uma diferença significativa: as crianças que não engatinharam ou engatinharam menos, também andaram mais tarde e eram as crianças do grupo que apresentavam dificuldades no aprendizado.

Mas qual relação entre engatinhar e aprender outras questões necessárias? De uma maneira sucinta, o engatinhar apresenta um marco no desenvolvimento da criança e é um exercício motor importante.

A tentativa de “balançar o esqueleto”, mesmo que desordenadamente, estimula a coordenação visual para os movimentos que mais tarde a criança vai usar para ler e escrever, explica a especialista Sally.

Deixe o bebê “ se virar”

Engatinhando a criança desloca os olhos similarmente ao momento de leitura e escrita. Dessa forma, o bebê é estimulado a construir novas ligações neurológicas envolvidas nessas funções, ajudando mais tarde na escola.

O uso excessivo dos artigos modernos que auxiliam os pais a tomar conta dos bebês são um dos vilões do engatinhar. Eles deixam a criança sentadinha impedindo que se movimentem e brinquem livremente com o corpo.

No chão, a criança aumenta o seu campo de visão e o seu equilíbrio, sendo mais fácil descobrir o mundo. Aprende a ter noção de espaço e distância. É uma ação ativa e não passiva como as crianças que ficam nas cadeirinhas. Além de tudo, ajuda a alinhar a coluna, preparando a criança a ficar em pé e andar.

Precisamos saber também que não engatinhar não é fator determinante para que a criança tenha dificuldades na escola. “Alguns bebês que não engatinharam acabam não tendo problemas, enquanto algumas que engatinharam poderão apresentar dificuldades”, afirma Sally.

Dicas

Pense na seguinte situação: seu bebê está em uma cadeirinha de rodinha e deixar cair um brinquedo no chão. Ele não terá a minima chance de pegar o objeto, pois está preso. Ficará totalmente dependente, à espera de alguém para pegar o brinquedo. Péssimo para quem está na fase de descobrimento da vida e aprendizado.



Deixe brinquedos de diferentes cores, texturas e materiais no chão ao lado do seu bebê para que descubra as diferenças.

Não se preocupe se seu bebê não engatinhar. Cada bebê se desenvolve de maneiras diferentes e muitos não passam pela fase do engatinhar, mas precisamos estimulá-los.

Materia da revista materlife maio 2009


http://www.elian.com.br/blog/engatinhar-uma-conquista-do-bebe




rafaela ta com 9 meses hoje...

passa mto rápido mesmo...

ela ta engatinhando aos poucos, faz peixinho com a boca, bate palminha, faz nao nao nao...

coisa mais preciosaaaaaaaaaaaa

te amo filhotaaaaaaaa

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

MAIS DE 190 MIL VISITAS

MAIS DE 190 MIL VISITAS...




OBRIGADAAAAAAAAAAA


quinta-feira, 26 de agosto de 2010

APRENDENDO AS CORES

APRENDENDO AS CORES

Fiz essa atividade com meus alunos do maternal no ano passado...
uma caixa de sapato grande, copinhos de iogurte e tampinhas de várias cores... :)


CENTOPÉIA COM RECICLÁVEL


ACHEI LEGAL ESSA CENTOPÉIA...
fácil de fazer com as crianças...
beijosssssss

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

PRIMEIROS DIAS DE VOLTA AO TRABALHO

Não foi tão fácil... primeiro q tive q acordar cedãoooo do q estava acostumada, Rafaela sempre acordando umas 9 horas e tive q acordar antes das 6 da manhã para amamentá-la. Depois sair de carro tirando-a da cama (meu marido me leva no serviço). Na hora q fui sair do carro não me aguentei e comecei a chorar, entrei no serviço chorando, mas logo passou... a rotina começou, me envolvi no trabalho... e foi passando... mas liguei pra saber como ela estava, se estava dormindo e tals...

Bom... passou... ufa...

se bem que a licença maternidade poderia durar uns 2 anos né? seria ótimo pra gente e pra criança ficar com a família nesse tempo hehe...
bjs

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

TRABALHAR APÓS LICENÇA MATERNIDADE


Como se preparar para voltar ao trabalho após a licença-maternidade

A primeira separação entre mãe e filho ocorre quando o médico corta o cordão umbilical. A partir daí, o bebê tem a vida toda pela frente, vai crescer, aprenderá a falar e a andar, fará amigos, ganhará o mundo... Várias situações exigirão que se façam novas rupturas, como a volta ao trabalho, o dia de dormir na casa da avó, o início da escola... “Mas a separação mais radical e, no geral, inevitável é quando a licença-maternidade chega ao fim e a mãe precisa retornar ao trabalho. Muitas ficam divididas. A mulher que trabalha fora vive um dilema ao ter que deixar seu bebê, com quem manteve uma relação intensa nos últimos meses. Os primeiros dias de trabalho nunca são fáceis, mas é preciso encará-los com determinação", defende o ginecologista Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Genesis, em São Paulo.

A licença-maternidade é um direito que não existe apenas para ser um período de descanso à mulher que deu à luz, é um período para fortalecer o vínculo entre mãe e filho. O médico defende que se a mulher estiver tranqüila e serena, esta transição será positiva para a mãe e para o filho. E ainda dá mais um conselho: "Faça o melhor dentro daquilo que é possível. As crianças precisam de amor dos pais e não de perfeição", diz o ginecologista.

Culpa, medos, angústia...

“Na volta ao trabalho, é normal a mãe sentir-se culpada, angustiada e indecisa. Elas ficam deprimidas porque a separação é algo frustrante. É importante ser tolerante consigo mesma, uma vez que toda transição envolve mudanças, reorganização e aprendizagem", explica a psicóloga da Clínica Genesis, a Dra. Vânia Solé Botelho.

Por isso, é preciso que a mulher se prepare antecipadamente para este momento. A psicóloga sugere que ainda na gravidez seja feito um planejamento de como será a vida após a volta da mãe ao trabalho. “É preciso pensar em quem vai cuidar do bebê, se ele ficará em um berçário ou na casa dos avós, por exemplo. Com esta preparação antecipada, a mulher poderá enfrentar a tensão e os medos inevitáveis com mais calma”, diz Vânia.

A situação deve ser bem estudada e discutida pelo casal, a mulher não deve decidir tudo sozinha. "De preferência, os casais precisam conversar sobre seus medos, dúvidas e angústia, para encontrar uma maneira de minimizar os desconfortos que surgem", afirma a psicóloga.

Algumas mulheres conseguem encontrar maneiras diferentes de aliviar os efeitos desta fase de separação. “Confiar na instituição ou na pessoa que cuidará de seu filho lhe trará confiança e tranqüilidade nesta fase”, aconselha Vânia Botelho. Além dos recursos tecnológicos, a psicóloga lembra que o fundamental neste período é “garantir um tempo de qualidade com o filho todos os dias. Isto é mais importante e tem um efeito bem maior do que se você ficasse o dia todo em casa distraída com outras tarefas, sem se envolver com ele”, reforça Vânia Botelho.

Diversão não pode?

A psicóloga da Clínica Genesis chama a atenção para outra sensação que atinge a maioria das mães de crianças pequenas: “sair para trabalhar até pode, mas na hora de divertir-se... É difícil dizer 'agora você fica com a vovó porque a mamãe vai namorar o papai' ou 'mamãe vai ao cinema e a babá cuidará de você’. Mas é importante que isso aconteça porque, dessa forma, os limites do relacionamento com os pais começam a ser estabelecidos", afirma Vânia.

Tudo isso, porém, deve ser feito de forma gradual para que mãe e filho se acostumem, sem traumas, com as separações. “Com os momentos de separação, a criança vai aprendendo gradativamente a lidar com essas emoções que precisam ser interiorizadas. Por meio da separação de mãe e filho, o pequeno aprende que ele e ela não são uma coisa só. E muito mais: a criança passa a se relacionar com outras pessoas, ganha diferentes referências de afeto, diversifica a forma de ver o mundo e fica mais segura", garante a psicóloga.

FONTE: http://www.necessaire.com.br/como-se-preparar-para-voltar-ao-trabalho-apos-a-licenca-maternidade/

...........................................................................

RESOLVI pesquisar algo do tipo... pq amanhã é o último dia da minha licença maternidade... caraca... parece que foi ontem q a minha filhota nasceu......... e já se passaram 6 meses e 16 dias... como sou funcionária pública tive direito a 6 meses de licença e entrei com o pedido depois das férias por isso q consegui uns dias a mais.......
se pudesse saía do serviço só pra ficar com a filhota, mas tb é bom novos ares, mudar a rotina, chega uma hora que cansa um pouco de ficar em casa hehe........ (espero) ahaha...

vou sentir mtas saudades dela, faltaaaaa mesmo..... organizei uma listinha pro meu marido (q vai cuidar dela no período da manhã enqto trabalho) pra alimentação dela... acho q ele vai se sair bem hahaha....

beijos... depois conto como foram os primeiros dias de trabalho...
taisy ;)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

CONTADOR DE VISITAS

BAH... O CONTADOR DE VISITAS DEU UMA ZIC ZIRAAAAA
ZEROUUUUUUU
AFF....
FAZER O Q NÉ???

terça-feira, 20 de julho de 2010

SE O BEBÊ MORDER MEU PEITO?

SE O BEBÊ MORDER MEU PEITO?

FONTE:
http://brasil.babycenter.com/baby/amamentacao/problemas-e-solucoes/morder/

Minha filhota está mordendo meu seio durante algumas mamadas, e foi bom ter lido esse artigo pra saber melhor o que fazer neste momento... tá aí... espero q seja útil...

Os bebês mordem o seio?

Há mães que desmamam os filhos assim que vêem os dentinhos começando a nascer, mas não há problema -- nem grande perigo -- em dar o peito a uma criança que já tenha dentes. O surgimento dos dentes varia enormemente; na média, os primeiros dentes de leite rompem por volta dos 6 meses, mas há bebês que ficam desdentados até o primeiro aniversário, enquanto outros até nascem com dentes! A imensa maioria dos bebês não morde a mãe.

Na verdade, é impossível para o bebê morder o seio com os dois dentinhos inferiores que costumam ser os primeiros a nascer, já que a língua dele fica posicionada entre os dentes e a mama enquanto ele suga. Para morder, ele teria que recolher a língua, coisa impossível se ele estiver com a boca encaixada no seio.

Conforme vão nascendo mais dentes, pode ser que o bebê queira morder para aliviar o desconforto na gengiva. Você pode experimentar dar a ele um mordedor gelado antes ou depois de cada mamada. Não aplique pomada para a gengiva antes de amamentar, porque a língua do bebê pode ficar dormente, assim como a sua aréola, dificultando o aleitamento. Essas substâncias também podem irritar a pele sensível do mamilo.

Ai! Ele mordeu! E agora?

Se você cair na minoria menos afortunada e seu filho morder seu seio, vai ser difícil não gritar. E é muito provável que sua reação natural assuste tanto o bebê que ele não se atreva a repetir o feito. Há bebês que ficam tão apavorados com o grito que passam a rejeitar o peito. A reação mais comum da criança, porém, é a de ficar curiosa e surpresa com o grito, e morder de novo para ver o que acontece. Tente manter a calma, pare de amamentá-lo, olhe-o nos olhos e diga um "não" firme.

Mesmo que as mordidas comecem a virar rotina, dá para resolver o problema sem apelar para o desmame. Para isso, é essencial saber a causa da mordida:

O bebê está caindo no sono: Alguns bebês mordem no final da mamada, quando adormecem. Fique atenta para ver se ele está dando sinais de que vai dormir e o retire do seio antes que isso aconteça.

O bebê fica distraído: Há crianças que resolvem dar uma olhada para o lado e levar o mamilo com elas, para não parar de mamar. Mantenha seu dedo mínimo de prontidão para interromper a sucção rápido se o bebê virar a cabeça. Se você perceber que ele está prestes a morder, coloque seu dedinho na boca dele -- é melhor ele morder seu dedo que seu peito. Nunca o puxe na hora da mordida, pois você pode se machucar mais. Talvez você tenha que reduzir a duração das mamadas até essa fase passar.

O que fazer na hora da mordida

• Diga "não" com firmeza, olhando nos olhos do bebê, e interrompa a mamada. Ele precisa associar a mordida à perda do seio -- a maioria dos bebês não gosta nada dessa separação.
• Aproxime-o ainda mais do seus seio, para que o nariz dele fique pressionado contra a mama. Ele vai ter de abrir a boca para respirar.
• Se ele continuar, tire-o do seu colo por algum tempo, logo que ele morder.
• Se você acha que ele está tentando chamar a atenção, tente dedicar toda a sua atenção a ele durante a mamada.
• Aprenda a reconhecer quando ele está satisfeito.
• Só dê o peito quando ele estiver mesmo com fome.
• Tire-o do peito se ele estiver quase dormindo.
• Dê um mordedor à criança antes e depois da mamada.

domingo, 11 de julho de 2010

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - HORA CERTA

Como introduzir os alimentos na dieta do bebê

A criança bebe apenas leite por praticamente seis meses. Por isso, é preciso que a introdução das papinhas seja feita aos poucos


Mônica Brandão


Esses alimentos, só na hora certa...

Até o bebê completar 1 ano, atenção aos alimentos que podem provocar alergias.Veja a partir de quando ele pode comer os seguintes ingredientes:


QUEM

QUANDO

POR QUÊ?

Gema de ovo cozido

A partir de 6 meses e meio

Este prazo é o ideal porque a criança já está acostumada com a papinha.

Feijão

A partir de 7 meses

A fermentação e, conseqüentemente, os gases provocados por ele serão mais bem aceitos após o primeiro mês de introdução de alimentos.

Peixes e frutos do mar

A partir de 11 meses

Têm proteínas altamente alergênicas e, nessa época, o organismo está mais preparado para lidar com as reações adversas.

Clara de ovo

A partir de 1 ano

Possui em sua composição uma cadeia química de proteína de difícil digestão para o bebês antes de 1 ano.

Mel de abelha

A partir de 1 ano

Antes dessa idade a criança corre o risco de contrair botulismo, caso o mel esteja contaminado pela bactéria Clostridium botulinum, nociva apenas aos bebês que são mais sensíveis.


Mantenha distância

Os pediatras e nutricionistas fazem coro: até 1 ano de idade é preciso evitar doces, refrigerantes e frituras. Pesquisas científicas apontam que esses alimentos, além de não possuir valor nutricional, aumentam o risco de a criança ficar obesa no futuro. Prefira sobremesas à base de frutas do que as bolachas doces.
Outro tipo de alimento que aparece principalmente na dieta dos bebês considerados magrinhos são os "engrossantes", como a farinha láctea e o amido de milho. Eles apenas agregam calorias e, muitas vezes, são usados precocemente.


http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI863-10591-4,00-COMO+INTRODUZIR+OS+ALIMENTOS+NA+DIETA+DO+BEBE.html

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - ROTINA

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - ROTINA

Rotina é tudo!


Estabelecer horário para as refeições é um dos princípios fundamentais para a alimentação saudável durante toda a vida. Depois que o bebê experimenta vários alimentos (só depois), é importante criar uma rotina nas refeições. O controle do peso corporal, a melhora do funcionamento intestinal e a prevenção de doenças crônicas são algumas vantagens que ela trará a seu filho.

Os horários ficam assim:
- Ao acordar: leite materno ou de fórmula
- Meio da manhã: suco de frutas
- Almoço: papinha salgada e fruta
- Lanche da tarde: papa de fruta e/ou leite
- Jantar: papinha salgada e fruta
- Ceia: leite materno ou de fórmula

http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI863-10591-3,00-COMO+INTRODUZIR+OS+ALIMENTOS+NA+DIETA+DO+BEBE.html

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - QUANTIDADE

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - QUANTIDADE

A quantidade ideal

O quanto a criança vai começar varia muito, mas apenas para você ter uma referência:

- dos 6 aos 9 meses: de quatro colheres (das de sopa) a uma xícara
- dos 10 aos 12 meses: uma xícara cheia
- de 1 a 3 anos: um prato infantil cheio

Água é fundamental!

Ela entra em cena junto com as papinhas. Como não há uma recomendação médica específica de quantidade, ofereça depois e entre as refeições, até a criança aprender a pedir. Sucos e chás sem açúcar também são bons, mas sem excesso, para não substituir completamente a água, que é considerada mais hidratante. Primeiro na mamadeira. Com o tempo, passe para o copinho.


http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI863-10591-2,00-COMO+INTRODUZIR+OS+ALIMENTOS+NA+DIETA+DO+BEBE.html

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ - ETAPAS

COMO INTRODUZIR ALIMENTOS AO BEBÊ


Em etapas

O método varia entre os pediatras – alguns preferem começar com papinhas salgadas feitas com apenas um legume, enquanto outros já sugerem uma sopinha mais elaborada. Mas, no geral, eles recomendam a seguinte sequência:

1 - Escolha um dia e ofereça um suco de laranja-lima no meio da manhã, entre uma mamada e outra – e não perca por nada o rostinho de espanto que o bebê vai fazer ao experimentar o novo sabor.
2 - Comece a oferecer as papinhas de frutas depois de três, quatro dias. Escolha um horário entre as mamadas na parte da tarde, e observe se o organismo da criança reage bem.
3 - Depois de uma semana, organize o horário das mamadas para oferecer a papinha salgada na hora do almoço. Continue com o suco e a papinha de frutas no lanche.
4 - Quando o bebê já estiver habituado é hora de dar a papinha salgada na hora do jantar também. E papinha de frutas como sobremesa nas duas refeições.


http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI863-10591-1,00-COMO+INTRODUZIR+OS+ALIMENTOS+NA+DIETA+DO+BEBE.html

4° ARRAIÁ ZÉ VANGÉLICO IBJA

MAIS DE 105 MIL VISITAS...


MAIS DE 105 MIL VISITAS......

obrigadaaaaaa
amo qdo vejo os números de visitas aumentando...
sinal que meu blog está sendo útil...

volto a trabalhar em agosto... aff... tá tão bom ficar em casa curtindo a filhota...
mas a licença maternidade está acabando... buáaaaa...
fazer o q né??

amoooooooooo a rafaela
é minha alegria, minha paz, minha vida...
te amo filhotaaaaaaa




PALADAR DA CRIANÇA





Como é o desenvolvimento do paladar da criança

Você adora beringela. Seu filho não pode nem sentir o cheiro. Um irmão é louco por salada, o outro prefere churrasco. Descubra por que muitas crianças não gostam de verduras enquanto outras são capazes de rejeitar um chocolate


Jeanne Callegari


1 - Quando o paladar começa a se desenvolver?
Só depois do nascimento. No útero, por volta do quinto mês de gestação, o bebê até começa a desenvolver alguns sentidos e consegue sentir cheiros e enxergar. Quando ele nasce, sente gostos, mas não de forma muito desenvolvida, o que vai acontecendo com o tempo. Por volta dos 2 ou 3 anos de idade é que as preferências e rejeições começam a aparecer com mais nitidez.

2 - O que é natural nos bebês e o que eles aprendem com o tempo?
Existem quatro sabores, e eles são inatos: doce, salgado, amargo e ácido. Pesquisas demonstram que bebês têm preferência pelo doce. Sorriem quando recebem açúcar e fazem caretas quando provam o amargo. Também há diferenças individuais que podem estar associadas ao grau de sensibilidade que cada um tem aos sabores. Mas o paladar não é formado só assim: odores, texturas e o prazer que a comida proporciona fazem diferença. Além da percepção geneticamente determinada, algumas dimensões, como a familiar e a cultural, orientam as preferências. A criança nasce com uma certa predisposição para gostar de uma comida e fazer cara feia para outras, mas a educação que recebe também vai influenciar.

3 - Qual o papel dos pais?
Como parte da formação do paladar vem do aprendizado, os pais têm papel fundamental. Ninguém oferece a uma criança um alimento de que não goste. Se, desde pequenos, os filhos têm uma alimentação saudável, com pouca gordura, pouco sal, que privilegia produtos naturais, eles vão crescer aprendendo a apreciar aqueles pratos. Vão rejeitar o refrigerante nas festinhas e as frituras na escola, porque, para eles, gostosos serão os sucos, as saladas, as frutas. Não adianta, porém, querer que o filho coma manga se a mãe não gosta da fruta: a criança aprende mais observando o comportamento dos pais do que ouvindo o que eles falam.

4 - Todas as pessoas sentem os gostos do mesmo jeito?
Não. Nenhuma pessoa sente gostos e cheiros da mesma forma que outra. Algumas podem ter percepção mais apurada e se tornar, por exemplo, grandes conhecedores de vinho, reparando em detalhes que passam despercebidos para a maioria. Outras podem ser boas para perceber aromas. Além disso, o paladar muda conforme a idade: crianças tendem a gostar mais dos sabores chocolate e morango, ao passo que idosos preferem baunilha. É normal que, na adolescência, a pessoa comece a apreciar alimentos de que não gostava quando era pequena.

5 - Como lidar com a recusa dos filhos em comer verdes ou em experimentar alimentos novos?
Uma boa dica é a familiarização. As crianças aceitam melhor um alimento que ajudaram a preparar, lavaram, picaram, arrumaram no prato. Se o contexto for positivo, seu filho vai olhar a comida com uma atitude mais favorável. Por exemplo, não tente introduzir no mesmo dia todos os vegetais amargos. Sirva-os um de cada vez, sempre acompanhados de um dos pratos preferidos dele. Ofereça as frutas picadinhas ou em palitos. Dizer para a criança comer porque faz bem para a saúde ou propor recompensas não funciona. É melhor educá-la para sentir prazer e apreciar o gosto dos alimentos.

6 - Qual o papel do prazer na nutrição?
O prazer é essencial para a alimentação. O prato tem de ser nutritivo, mas também tem de ser gostoso. Por isso, não funcionam bem as técnicas de pressão de alguns pais para que as crianças comam verduras, do tipo: "Se não comer a salada, não ganha sobremesa". A idéia de que depois da tortura vem a recompensa só piora a noção de que vegetais e legumes são ruins. Se as crianças percebem os pais comendo abóbora com satisfação, vão associar o prazer àquele alimento, e assim fica mais fácil gostar dele.

7 - Por que algumas crianças odeiam verduras?
Não são todas, mas muitas crianças rejeitam os verdes. Existem algumas teorias, mas nenhuma conclusão, para explicar o fenômeno. A primeira é de que, quando nascem, os bebês seguiriam o instinto básico de comer para aplacar a fome. Pensando assim, massas e doces satisfazem mais rápido que um prato cheio de verduras. Outra linha de pensamento é de que verduras têm gosto forte, às vezes amargo, o que desagrada ao paladar infantil. Uma terceira hipótese diz que, como no passado os seres humanos sabiam que os vegetais podiam servenenosos, ainda olhamos para eles com desconfiança.

8 - Por que algumas crianças se recusam a experimentar alimentos que não conhecem?
Esse fenômeno tem um nome: é a neofobia alimentar. Na natureza é um fato banal, necessário para a sobrevivência, pois não se sabe se o alimento novo é seguro para a saúde. Entre os 2 e os 10 anos, e principalmente entre os 4 e os 7 anos, 77% das crianças se recusam a comer o que não conhecem. Uma explicação possível é que, nessa idade, os pequenos estão na fase do "não", e uma das poucas maneiras que têm para se auto-afirmar é à mesa. Como também, nessa fase, eles começam a freqüentar a escola e aprender muitas coisas novas, os alimentos conhecidos representam uma espécie de porto seguro, algo familiar com que podem contar. As pesquisas não explicam por que algumas crianças são mais neófobas que outras.

9 - É necessário introduzir doces e gorduras na dieta das crianças?
Doces, gorduras e massas são os preferidos das crianças, e proibir esses alimentos seria privá-las de grande parte do prazer da alimentação, o que seria considerado um crime entre povos apreciadores da gastronomia, como os franceses. O ideal é usar o bom senso e compensar a ingestão das guloseimas com muita fruta, verdura, legume, e transformá-los também em alimentos prazerosos para os pequenos.

10 - A criança sabe naturalmente o que é bom para ela?
Não. Se a decisão for deixada para a criança, ela vai escolher os alimentos de que gosta mais: frituras, doces, macarrão. A responsabilidade sobre a alimentação dos pequenos é dos pais. São eles que devem decidir o que vai ser servido à mesa todos os dias e o que só entra de vez em quando.


FONTE: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI2290-10591,00.html



quarta-feira, 30 de junho de 2010

IMPORTÂNCIA DO PAI NA VIDA DO BEBÊ


O Papel do Pai na Educação

"Alguns homens efetivamente não conseguem ficar absorvidos pelo bebê. Em nossa sociedade, às vezes acontece de os homens acharem meio "bobo" se interessar demais pelos bebês e, então, fingem falta de interesse. Quando os filhos crescem, conseguem admitir mais facilmente que sentiam orgulho e amor pelos filhos."

Dentre as inúmeras necessidades humanas, as de afeto e segurança têm, indiscutivelmente, prioridade. Quando elas são satisfeitas, temos garantias eficazes para o crescimento do ser humano; se, pelo contrário, houver frustrações, haverá desajustes mais ou menos graves. A criança necessita de amor. Esse é um lema moderno que ouvimos muito freqüentemente. Mas, o que é preciso dizer? O recém-nascido é completamente indefeso, dependente e precisa de cuidados constantes para que não sofra de fome, frio ou dor. Como ele não tem noção de tempo e espaço, ao sentir fome, fica perdido e somente a assistência afetiva da mãe ou alguém que a substitua regularmente poderá, aos poucos, propiciar-lhe a certeza de que o alimento não lhe faltará. Bem sabemos, no entanto, que os cuidados com o bebê não se restringem à alimentação ou às necessidades corporais; desde as primeiras semanas, o bebê é um ser humano completo, com sentimentos, emoção e idéias. O amor da mãe é que o protegerá de algumas sensações desconcertantes e desagradáveis que vêm do mundo externo e que lhe causam desconforto. A mãe é a iniciadora do filho na vida. Conforme as experiências deste sejam satisfatórias ou frustrantes, ele estará se preparando para a liberdade e para aceitar a autoridade.

O papel do pai

E o pai, qual é a sua importância nos primeiros meses? Durante mais de meio século, a partir das descobertas de Freud e de outros estudiosos do psique humana, enfatizou-se a importância da relação mãe-filho. Somente nos últimos anos - e muito timidamente - começou-se a estudar a importância da figura do pai desde os primeiros dias de vida. Estudos e pesquisas revelaram que é fundamental para a vida da criança que seu nascimento seja desejado; sentir-se filho do pai é tão primordial para o desenvolvimento do indivíduo como o próprio fato de sê-lo. O papel do pai nos primeiros três meses é indireto, porém muito importante para que a mãe proporcione segurança ao bebê. Durante as primeiras semanas, quando a mãe e o bebê estão lutando para se conhecer, para se adaptarem um ao outro, a atitude do pai pode ser de grande ajuda. Como? Participando de algumas de suas ansiedades, ele poderá lhe dar o apoio de que ela talvez esteja precisando para enfrentar uma situação difícil, ajudando-a a ver as coisas com mais clareza.
Alguns homens efetivamente não conseguem ficar absorvidos pelo bebê. Em nossa sociedade, às vezes acontece de os homens acharem meio "bobo" se interessar demais pelos bebês e, então, fingem falta de interesse. Quando os filhos crescem, podem admitir mais facilmente que sentiam orgulho e amor pelos filhos.

Reações do bebê

É interessante notar como, em torno dos 4-5 meses, o bebê começa a reagir ao pai de um modo especial e diferente da maneira como reage à presença da mãe e a dos demais adultos. A espécie de relacionamento que vai se formando entre o pai e o bebê nesses primeiros meses dependerá, por um lado, do quanto a mãe o estimula a participar do banho e da alimentação da criança, como também das possibilidades do próprio pai estar em casa nas horas em que o bebê está acordado e de sua facilidade em entrar em contato com ele.
A partir do primeiro ano de vida, o pai começa a aparecer mais. Ele representa a responsabilidade. É o contato com a realidade. O pai que ama os filhos não é somente aquele que manda, mas aquele de quem a criança tem orgulho e com quem quer se parecer. Essa admiração é o elemento de masculinidade que o pai transmite. Encontrar-se com o pai significará não somente poder separar-se da mãe, mas também encontrar uma fonte de identificação masculina, imprescindível tanto para a menina como para o varão. Isso porque a condição bissexual da psique humana (o que Jung chamava de animus nas mulheres e anima nos homens) torna necessário o casal "pai" e "mãe" para que se consiga um desenvolvimento normal da personalidade.

A autoridade paterna

Se, por um lado, é função da mãe dar aos filhos dos dois sexos a imagem da feminilidade, na sua competência, importância, afetividade e maternidade, o pai, por sua vez, é sentido pelos filhos em sua universalidade, a transmitir-lhes o papel da autoridade suprema (apesar do fato de a autoridade diária estar muitas vezes diretamente ligada à mãe). Essa distinção entre a autoridade materna e paterna são os modelos que a criança possui para fazer frente às fontes de autoridade, que irão desempenhar no futuro uma função importante no seu ajustamento à sociedade, além de cumprir uma função fundamental no desenvolvimento de sua sexualidade.


http://www.alobebe.com.br/site/revista/reportagem.asp?texto=18 (fonte)



LOUVO A DEUS PELA VIDA DO MEU MARIDÃO QUE TEM SIDO UM PAIZÃO PRA RAFAELA...Dá banho, cuida dela, faz dormir, dá colinho, arruma, baba... só não troca mto a fralda pq ele tem nojinho, mas td bem... hehe... tem me ajudado e mto... uma bênção... obrigada maridão por tudo...

EU E A RAFAELA........ AMAMOS VC................ E MTO...
BEIJOS
TAISY

segunda-feira, 28 de junho de 2010

MAIS DE 100 MIL VISITAS...


OBRIGADA PELAS MAIS DE 100 mil VISITAS...

FICO FELIZ POR SABER QUE MEU BLOG ESTÁ SENDO ÚTIL DE ALGUMA FORMA...
OBRIGADA PELOS COMENTS, E AGUARDO SUGESTÕES...
BEIJOS E UMA LINDA SEMANA
QUE DEUS NOS ABENÇOE
TAISY ;)


quarta-feira, 23 de junho de 2010

ALINE BARROS E FERNANDA BRUM


AMO ESSAS DUAS MULHERES DE DEUS ABENÇOADAS...
ESTARÃO NESTE DOMINGO NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO...
DIVULGUE!!!!

Que o amor de Deus inunde os corações sedentos através delas... ;)


AI QUE FRIOOO


AI QUE FRIO QUE TÁ AQUIIIIII...

Essa foto minha amiga FRANCIELLY tirou em PORTO SEGURO (Praia do Trancoso)...
que delícia sol, praia, mar, areia, calorrrrrrr....

não gosto de friooo não...
nunca sei que roupa usar direito
parece q nada fica legal
ou a gente fica bonitinha e passa frio
ou feinha e tá quentinha hehehe...

quero o verãoooooooooo

minha filhota vive com a mão geladinha tadinhaa (igual a mãezinha aqui)...

aff


volta logo calorrrrrrrrrrrrr

terça-feira, 22 de junho de 2010

DEUS CURA


Deus é o Deus que cura...

Fazem uns dois meses que eu sentia dores no estômago, tipo aquela dor de fome... mas que não passava... chegava a tremer, algo estranho...
fiz exames (ultra abdomen total e endoscopia - q me pelava de medo - q foi mais fácil que imaginei)... e deu tudo ok...
entrei numa dieta forçada pra não doer mais o estômago...
comia somente arroz branco, salada cozida, canja, chá, torrada e bolacha salgada...
cheguei a emagrecer um pouco...

fui orando ao SENHOR e pedindo orações aos amigos...

e hoje estou aqui... ÓTIMAAAAAAAAAA...
ainda na dietinha, mas aos poucos começando a comer normalmente...

OBRIGADA SENHOR PORQUE AS DORES SE FORAM
ÉS FIEL
MARAVILHOSO
E RESPONDES AO NOSSO CLAMOR...

QUANDO A GENTE ORA HÁ PODER!!!!!


quarta-feira, 16 de junho de 2010

O AMOR É LINDOOOOO


o amor é lindoooooo

nossa rafinha tava doida pra ir pra casa, cansada..
mas o jantar romântico 2010 foi ótimoooooo...
brindessss, comida boa (que nao pude comer por causa da dor no estômago), casais, palestra engraçada..
demaiss...



mais de 95 mil visitas... ebaaaaaaaa

terça-feira, 8 de junho de 2010

DESAFIO - VALE BRINDE


DESAFIO

QUEM RESPONDER PRIMEIRO...... GANHA UM BRINDE....

QUAL O DIA DO NASCIMENTO DA MINHA FILHOTA?????????

responder nos comentários do blog mesmo... a primeira pessoa favor colocar e-mail pra eu contactá-la... obrigada
bjs

VENDO PERSIANA


VENDO PERSIANA COR SALMÃO

TEMOS UMA Persiana em casa - com apenas mais de 1 ano de uso - queremos vender por motivo de nao combinar com a cor do quarto lilás da nossa filhota... ótimo estado - falar comigo ou Alessandro - assim é o lado q fica pra dentro

as medidas são
1,35 x 1,55

favor tratar conoscoo...

R$ 80,00 (parcelamos)

beijos e obrigada

sexta-feira, 4 de junho de 2010

NOME RAFAELA


RAFAELA
Do italiano Raffaella, feminino de Rafael. A origem é o hebraico refa-el, “Deus curou”.
fonte: http://colunas.crescer.globo.com/guiadenomes/?s=rafaela

Resolvi colocar RAFAELA pq além de achar um nome lindo, não é tão comum, dá pra colocar apelidos (rafa, rafinha) e o significado é lindoooo...foi isso que aconteceu, depois de 1 ano e meio tentando engravidar... senti como se fosse milagre de Deus... cura de Deus na minha vida...

Coloquei o nome escrito de forma simples pra ela não sofrer no momento de alfabetização... pq PH e LL seria complicado... assim facilita a aprendizagem, leitura e escrita (coisa de pedagoga hehe...)...

ameiiiiii... lindo nome ne?
qdo o povo pergunta o nome dela eu digo: RAFAELA...
ai eles respondem... NOME BONITO, NOME FORTE hehhe

amoooooooooooooooooooooooooooooo
além de amar este nome
amo mais ainda a dona do nome...
te amo filhaaaaaaaaaaaaa

quarta-feira, 2 de junho de 2010

COMUNIDADE ORKUT

EU FAÇO PARTE DA COMUNIDADE TENTANTES: CAMINHANDO AO SONHO


entrei em junho de 2008 e em junho de 2009 descobri minha gravidez.. é mto gostoso compartilhar sonhos e realizações com pessoas que têm sonhado a mesma coisa que a gente...
agora quem faz parte da comu é minha princesa RAFAELA

SOMOS FÃS DE CARTEIRINHA AGORA...

EBAAAAAAAAAAAA


sexta-feira, 28 de maio de 2010

MAIS DE 90 MIL VISITAS...


MAIS DE 90 MIL VISITAS....
obrigada pelos comentários e acessos...
fico mto feliz...

foto da minha filha no 4° mêsversário - dia 20 maio de 2010 - fiz um bolinho... o pessoal adorou... aproveitei que caiu bem no dia do ensaio da banda do louvor da igreja e levei bolinho pra galera... rafa ficou fascinada pelas 4 velinhas...
ps: tia fran com ela no colo (no dia seguinte foi pras férias em porto seguro na bahia) demais ne amiga? parabéns pelo passeio, vcs merecemmm

bjs a todos

quinta-feira, 27 de maio de 2010

RAFAELA - primeiro dentinho nascendo


Rafaela estava babando bastante, começou a fazer manhinha, choramingar... coisa que não fazia tanto... dai ela pegou meu dedo com vontade e começou a sugar e morder, foi aí entao que senti o dentinho... chegando em casa eu e meu marido vimos que está rasgando a gengiva... tadinha... ;)
primeiro dentinho da filhota - 23 maio 2010

1. Como se chamam os dentes do bebê?
Dentes de leite, dentes decíduos, dentes temporários, dentes provisórios, primeira dentição e da primeira infância.

2. Se os dentes de leite são temporários, por que é importante trata-los?
-Prepara o caminho para a erupção dos dentes permanentes, mantendo espaço nos arcos dentais e equilíbrio harmônico no crescimento (dentes, ossos e músculos).
- Proporciona uma mastigação e deglutição dos alimentos e conseqüentemente uma melhor digestão
- É importante no desenvolvimento da fonação, facilitando na pronúncia dos fonemas dentais, como: t, v, f, z, s.
- Função estética: quando deparamos com crianças esteticamente comprometidas percebemos que ocorre com elas uma dificuldade de comunicação e integração social.

3. Qual a seqüência (ordem) e a cronologia (data) de erupção?
-· Incisivos centrais inferiores - 6 meses
· Incisivos laterais inferiores - 6 meses
· Incisivos centrais superiores - 7 ½ meses
· Incisivos laterais superiores - 7 ½ meses
· Primeiros molares inferiores - 12 meses
· Primeiros molares superiores - 14 meses
· Caninos inferiores - 16 meses
· Caninos superiores - 18 meses
· Segundos molares inferiores - 20 meses
· Segundo molares superiores - 24 meses.

4. Quais os sintomas que poderá ocorrer quando nascer os dentes de leite?
Ao nascimento dos dentes, poderão ocorrer alguns sintomas como: coceira e abaulamento da gengiva com o aumento da salivação, estado febril e até as fezes podem ficar mais liquidas. Para melhorar este desconforto devemos oferecer ao bebê, alimentos mais duros e mordedores de borracha para massagear a gengiva.

5. Em caso de atraso na vinda dos primeiros dentes de leite, o que fazer?
A idade média normal para o nascimento dos dentes é por volta de seis meses de idade. Um atraso em torno de mais de seis ou oito meses, ainda poderá ser considerado dentro dos padrões de normalidade em nossa população. Também poderemos ter dentes de leite que nascem antes do prazo médio, ou seja, logo após o nascimento (dente natal), ou por volta de dois a três meses de idade (dente neonatal). Se isso ocorrer procure o odontopediatra.

6. Quando deve começar a limpeza dos dentes de leite?
Antes da erupção dos primeiros dentes a boca e a gengiva, deverão ser limpas com a ponta de uma fralda com água filtrada, tornando mais limpa, assim como acostumar a criança à manipulação de sua boca. Quando erupcionar os dentes deve fazer a limpeza sempre que possível, principalmente à noite logo após a última mamada: molhe uma gaze com água oxigenada de 10 volumes, bem diluída com água fervida esfregando os dentes, inclusive a língua.Após o nascimento de todos os dentes, não esquecendo da língua, iniciar a higienização com escova dental.

7. A aplicação de flúor deve ser iniciada na dentição de leite?
Sim, logo após a erupção dos primeiros dentes deve ser feita a aplicação de flúor 0,02% pelo menos uma vez por dia: colocar quatro gotas na gaze e esfregar todas as faces dos dentes superiores e inferiores. No consultório a aplicação de flúor deve ser feita por volta de dois anos e meio a três anos de idade.

8. O uso da mamadeira estraga os dentes?
O uso da mamadeira após a erupção dos dentes poderá levar a chamada cárie de mamadeira, quando apresentar um uso descontrolado e contínuo. O fato de adicionar outro componente, como açúcar e cereais, leva a um aumento da cárie. Também recomendamos que a mamadeira noturna seja suspensa gradualmente, após erupção dos primeiros dentinhos.Caso haja dificuldade, poderá oferecer mamadeira com água pura.

9. Por que a amamentação noturna pode gerar cárie de alta possibilidade?
Á noite existe uma diminuição da salivação e também do reflexo da deglutição que favorece a retenção do alimento junto ao dente. O uso da chupeta ou mesmo chupar o dedo faz os dentes entortarem?O hábito da chupeta ou sucção do dedo deverá ser interrompido por volta dos três anos de idade, quando a criança já está consciente de suas vontades e não requer mais a compensação de sugar, portanto devemos encoraja-la a deixar o hábito.Caso contrário à chupeta ou sucção do dedo levará a um desequilíbrio das arcadas dentárias e a má posição dos dentes.

Agora é só começar a se preparar e cuidar bem deles!!
fonte: http://tudosobrebebes.blogspot.com/2007/05/os-dentes-dos-bebs.html

terça-feira, 25 de maio de 2010

VÍDEO RAFAELA DANDO GARGALHADA

http://www.youtube.com/watch?v=3Ga3oTmK_ww


AMOR DA MINHA VIDA...ALESSANDRO


ALESSANDRO
O HOMEM DA MINHA VIDA...

Bom... falar de mim não tem como não falar do homem da minha vida. O homem que me anima, alegra, acompanha, incentiva, ajuda e o mais importante: ME AMA DO JEITO QUE EU SOU... (sempre desejando umas mudancinhas ne? hehe mas ele me atura ahhaha)...
Sou mto feliz por ter alguém como ele ao meu lado...
ele tem sido um marido amado, querido e especial e agora como pai, sem palavras...
dá banho na Rafaela todos os dias, não troca fralda fazer o q, mas faz parte hehe... conversa com ela, faz carinho, dá colinho... ela ama o paizinhooo que escolhi pra ela...

OBRIGADA AMOR POR TUDOOOO
POR ESSES 4 ANOS 7 MESES E 25 DIAS...
BEIJOS
TAISY

sexta-feira, 21 de maio de 2010

SAUDADES IMENSAS


EU E MINHA MANA GIMENA

COMO A GENTE CONSEGUE AMAR TANTO UMA PESSOA ASSIM EIN?????
AIIIIII AMO A MINHA MANA...
TENHO SENTIDO TANTA FALTA DELA...
FICO PENSANDO... POXA... QUERIA QUE ELA TIVESSE AQUI PERTINHO PRA TER CURTIDO A MINHA BARRIGUINHA CRESCER, PRA CURTIR O DESENVOLVIMENTO DA RAFAAAAAAA....
MAS SEI QUE ELA TÁ BEM E FELIZ, APESAR DE LONGINHO DE MIM...

AMOOOO-TE MANAAAAA
NÃO VEJO A HORAAAAAAA DE VC VIR NOVAMENTE PRA CÁA...
VEMMMMMM
BJS

quarta-feira, 19 de maio de 2010

CHORO DO BEBÊ


RAFAELA QUASE NÃO CHORA E QUANDO ELA CHORA ALGUMAS VEZES EU CONSIGO IDENTIFICAR, OUTRAS AINDA NÃO... MAS FAZ PARTE NÉ?:) BAH foi dificil achar uma foto dela chorandooooo....

AMO CADA DIA MAIS MINHA PRINCESAAAAA....

AMANHÃ, DIA 20 DE MAIO, ELA FAZ 4 MESES JÁAAAAA

;) AMOOOOOOOOOO


CHORO DO BEBÊ

Qual é o significado do choro do seu bebê?

O desespero e a angústia passam a conviver com a mamãe que acaba de chegar da maternidade e descobre que chorar é o que seu pequeno mais sabe fazer. As dúvidas aparecem: o que ele tem? O que eu faço? Por que não pára de chorar?

Calma, mamãe, os primeiros dias são difíceis, você e o seu bebê estão se conhecendo. Mas a convivência fará você descobrir que o bebê chora de diferentes jeitos, que cada choro tem o seu significado e qual a maneira de satisfazer suas necessidades.

A primeira forma de comunicação do bebê com o mundo é o choro. É a forma mais poderosa e eficaz de conseguir chamar a atenção dos outros para o que está sentindo. O bebê chora não somente porque está com fome ou dor, chora para demonstrar que algo o incomoda.

Decifrar o choro do bebê é um desafio que mistura intuição, conhecimento e muita percepção da mamãe. Tranqüilidade é essencial. Se a mãe ficar desesperada com o choro, o bebê sentirá isso e ficará mais tenso.

Muitas vezes uma atitude tranqüilizadora como pegá-lo no colo ou conversar acalmará o bebê que pode simplesmente querer sentir-se protegido e amado.

Tenha em mente que cada bebê reage de um jeito. Não é porque o filho da sua amiga chora de forma estridente quando está com fome que seu filho necessariamente chorará da mesma forma.

Quando o choro começar, a mamãe deve pensar em quais são as necessidades do seu bebê. Fome, cólica, estar sujo ou molhado, roupa desconfortável, sono, cansaço, frio ou calor e excesso de estímulo normalmente são as opções mais prováveis do choro.

Se todos os aspectos físicos foram verificados, desconforto emocional como falta de atenção e insegurança podem ser os motivos.

Existem dicas para traduzir os tipos de choro. Lembre-se: as crianças não são iguais, portanto, o choro varia de um para o outro.

Fome: gemidos semelhantes a um apelo que não cessam com carinhos somente quando estiver satisfeito.

Dor: grito agudo seguido de um pequeno intervalo.

Fralda suja ou roupa desconfortável: choro fraquinho e estridente.

Cólica: choro agudo e intenso, normalmente leva a criança a esticar e encolher as perninhas, tremer o queixo e fazer cara de dor.

Frio ou calor: é um choro copioso de desconforto.

Excesso de estímulo ou irritação: é um choro meloso que ocorre ao fim de um dia movimentado.

Sono: criança agitada e com choro nervoso.

Emocional: choro geralmente é acompanhado de soluços, como se o pequeno estivesse meio "engasgado" de raiva ou brabeza.

Elimine cada opção até chegar em uma que acalme seu bebê. Se o choro persistir, o bebê pode estar com febre ou com alguma dor. Não ofereça remédios sem orientação médica. Procure o pediatra do seu filho e com ele descubra o que o pequeno tem.

Dicas

0 a 3 meses – é um período que a criança tem muitas cólicas. Para evitá-las, faça massagens na barriga do seu bebê e mexa suas perninhas (bicicleta) de duas a três vezes ao dia e não somente nos períodos e cólicas.

3 a 6 meses – continue somente com leite materno, além de satisfazer a necessidade de sucção de seu bebê, não sobrecarregará o seu rim e intestino com nutrientes pesados contidos em outros tipos de alimentos, evitando assim desconfortos.

6 a 12 meses – Criança não sabe o que é manha ou birra até os 12 meses. Por isso, se a criança chorar, atenda e verifique as causas do choro.

FONTE: http://guiadobebe.uol.com.br/recemnasc/significados_do_choro.htm

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Muitas coisas podem nos deixar pra baixo, depressivas após o parto... Curtimos o bb na barriga durante meses, mas após seu nascimento é tudo novo, é a adaptação do bb a casa, a mae, a familia e a mamãe ao bebê e a rotina.. tudo novoooo... algumas ficam mais ansiosas se vão dar conta ou nao do serviço, mas como dizem: QUANDO NASCE UM BEBÊ, NASCE UMA MÃE...

algumas coisas afetam muito... se vc é da família ajude... deixe a mãezinha tranquila na hora q ela tiver amamentando, a hora q ela quiser descansar (afinal noites em claro quebra a gente), visitassss, dicas e mais dicas ninguem merece (evite dizer faz assim, faz assado, segura desse jeito, troca a fralda assim, tá calor, tá frio... affffffffffff)... mtas coisas vc pode fazer pra ajudar a maezinha a ficar boa e nao correr o risco de ter depre pós-parto...

Minha filhota vai fazer 4 meses amanhã e sei bem como é o momento das primeiras semanas... é algo prazeroso, maravilhoso, mas é necessário paciência...

mta mulher ja passou por isso e vai passar

o importante é ficar tranquila... curtir o bb... e se necessário ouvir e fingir que nao ouviu algumas coisas hahaha...

bjs


Por que mulheres têm depressão pós-parto ?

Ter um filho pode ser um dos momentos mais felizes para a mulher. Ainda que a vida com um novo bebê seja excitante e recompensadora, as vezes também pode ser difícil e estressante. Acontecem várias mudanças físicas e emocionais na mulher quando ela está grávida e depois de ter o bebê. Essas mudanças podem deixar as mães tristes, ansiosas, confusas ou com medo (tristeza materna). Para muitas mulheres esses sentimentos vão embora rápido. Mas quando eles permanecem, ou ficam piores, a mulher pode ter depressão pós-parto, uma condição séria que requer tratamento médico imediato.

O que é depressão pós-parto ?

Depressão pós-parto é uma condição que engloba uma variedade de mudanças físicas e emocionais que muitas mulheres têm depois dar à luz. Depressão pós-parto pode ser tratada com medicamentos e psicoterapia. Converse com seu médico assim que achar que tem depressão pós-parto.

Há três tipos de depressão pós-parto:

  • A tristeza materna acontece em muitas mulheres nos dias seguintes ao nascimento do bebê. A mãe pode ter mudanças súbitas de humor, como sentir-se muito feliz e depois muito triste. Ela pode chorar sem nenhuma razão e ficar impaciente, irritada, agoniada, ansiosa, solitária e triste. A tristeza materna pode durar apenas algumas horas ou até 1 ou 2 semanas depois do parto. Tristeza materna nem sempre requer tratamento médico. Geralmente ajuda entrar em um grupo de suporte ou conversar com outras mães.

  • Depressão pós-parto pode acontecer por alguns dias até meses depois do parto de qualquer bebê, não só do primeiro. A mulher pode ter sentimentos similares ao da tristeza materna - tristeza, ansiedade, irritabilidade - porém são muito mais fortes. Depressão pós-parto geralmente impede a mulher de fazer coisas que precisa no dia-a-dia. Quando a vida normal da mulher é afetada, é um sinal certo que ela deve procurar logo um médico. Se a mulher não obtiver tratamento para a depressão pós-parto, os sintomas podem piorar e durar até um ano. Ainda que a depressão pós-parto seja uma condição séria, pode ser tratada com medicamentos e psicoterapia.

  • Psicose pós-parto é uma doença mental muito séria. Ela pode acontecer rapidamente, geralmente nos três primeiros meses depois do parto. A mulher pode perder contato com a realidade, geralmente tendo alucinações sonoras. Alucinações visuais são menos comuns. Outros sintomas incluem insônia, agitação, raiva, e comportamento e sentimentos estranhos. Mulheres que sofrem de psicose pós-parto precisam de tratamento imediato e quase sempre necessitam de medicamentos. Algumas vezes a mulher é internada em hospital porque está sob o risco de machucar os outros e a si mesma.

Quais são os sintomas da depressão pós-parto?

Os sintomas da depressão pós-parto podem incluir:

  • Sentir-se inquieta ou irritada.

  • Sentir tristeza, depressão ou chorar muito.

  • Falta de energia.

  • Ter dor de cabeça, dor no peito, palpitações no coração, falta de sensibilidade ou hiperventilação (respiração rápida e superficial).

  • Não ser capaz de dormir, muito cansaço, ou ambos.

  • Perda de peso e não ser capaz de comer.

  • Comer demais e ganho de peso.

  • Problema de concentração, falta de memória e dificuldade de tomar decisões.

  • Ficar exageradamente preocupada com o bebê.

  • Sentimento de culpa e inutilidade.

  • Ficar com medo de machucar o bebê ou a si mesma.

  • Falta de interesse em atividades prazerosas, incluindo o sexo.

A mulher pode ficar ansiosa depois do parto mas não ter depressão pós-parto. Ela pode ter o que é chamado de ansiedade pós-parto ou desordem de pânico. Os sintomas dessa condição incluem forte ansiedade e medo, respiração rápida, batimento cardíaco acelerado, acessos de calor ou frio, dor o peito, tremedeira e tontura. Procure seu médico imediatamente caso tenha algum desses sintomas. Medicamentos e psicoterapia podem ser usados para tratar a ansiedade pós-parto.

Quem está sob risco de ter depressão pós-parto?

Depressão pós-parto afeta mulheres de todas as idades, classes sociais e etnias. Qualquer mulher que está grávida, teve bebê nos últimos meses, sofreu aborto ou recentemente parou de amamentar, pode desenvolver a depressão pós-parto. A quantidade de filhos que uma mulher tem não afeta as chances dela desenvolver depressão pós-parto. Estudos mostram que mulheres que tiveram problema de depressão têm maior risco de desenvolver a depressão pós-parto.

O que causa a depressão pós-parto?
Não sabe-se ao certo o que causa a depressão pós-parto. Mudanças hormonais no corpo da mulher podem disparar os sintomas. Durante a gravidez a quantidade dos hormônios estrogênio e progesterona aumenta bastante. Nas primeiras 24 horas após o parto a quantidade desses hormônios baixa rapidamente e continua a cair até a quantidade anterior à gravidez. Pesquisadores acreditam que essas mudanças hormonais possam ocasionar a depressão, já que pequenas alterações nos níveis de hormônios podem afetar o humor da mulher antes da menstruação.


Os níveis de tireóide também baixam bastante depois do parto. Níveis baixos de
tireóide podem causar sintomas que podem ser sentidos como depressão: mudanças de humor, fadiga, agitação, insônia e ansiedade. Um simples teste de tireóide pode dizer se esta condição está causando a depressão pós-parto. Em caso positivo, o médico pode receitar medicamentos para a tireóide.

Outros fatores que podem contribuir para a depressão pós-parto são:

  • Sentir cansada depois do parto, padrão de sono irregular e falta de descanso suficiente geralmente impedem que a mãe recupere sua força total por semanas, especialmente se ela tiver sofrido cesariana.

  • Sentir super-ocupada com um novo bebê para cuidar e duvidar da sua capacidade de ser uma boa mãe.

  • Sentir estresse em virtude das mudanças na rotina de casa e do trabalho. Algumas vezes a mulher pensa que deve ser uma "super-mãe" perfeita, o que não é realista e provoca estresse.

  • Ter sentimentos de perda - perda de controle, perda de identidade (quem era antes do bebê), perda da silhueta magra.

  • Ter menos tempo livre e menor controle sobre o tempo. Ter que ficar dentro de casa por períodos mais longos e menos tempo para passar com o pai do bebê.

Como é o tratamento da depressão pós-parto?

É importante saber que a depressão pós-parto tem tratamento e irá embora. O tipo de tratamento depende do quanto severa é a depressão pós-parto. A depressão pós-parto pode ser tratada com medicação (anti-depressivos) e psicoterapia. Mulheres com depressão pós-parto geralmente são aconselhadas a entrar em grupo de suporte para conversar com outras mulheres que estão passando pela mesma experiência. Se a mulher estiver amamentando, ela precisa conversar com seu médico sobre o uso de anti-depressivos, já que alguns desses medicamentos podem afetar o leite materno e não devem ser usados.

O que posso fazer para cuidar de mim mesma se tiver depressão pós-parto?

A boa notícia é que, se você tiver depressão pós-parto, há algumas coisas que pode fazer para cuidar de si mesma:

  • O bom e velho descanso. Sempre tente tirar uma soneca quando o bebê dormir.

  • Pare de colocar pressão sobre si mesma para fazer tudo. Faça o quanto puder e deixe o resto! Peça ajuda para o afazeres domésticos e alimentação noturna.

  • Não fique muito tempo sozinha. Vista-se, sai de casa e dê uma curta caminhada.

  • Passe algum tempo sozinha com seu companheiro.

  • Converse com seu médico sobre o tratamento. Não fique constrangida em falar sobre suas preocupações.

  • Converse com outras mães, de modo que possa aprender com suas experiências.

  • Entre em um grupo de suporte para mulheres com depressão pós-parto

FONTE: http://www.copacabanarunners.net/pos-parto.html

FORMATURA 2006/2


FORMATURA PEDAGOGIA UFSC
2006/2

um dos dias mais importantes na minha vida... ;)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

BEBÊ AOS 4 MESES DE IDADE


Caracaaaaaaaa... a RAFAELA ja vai fazer 4 meses essa semana.. passa mto rápidooooo... minha gostosa com 3 meses :)


BEBÊ AOS 4 MESES...


Peso e altura
(os dados sao apenas uma media , podendo variar de acordo com a crianca)

Menina : 63.8cm 7.1kg
Menino : 65.2cm 7.6kg

Acoes que seu bebe consegue fazer ate o fim desse mes

Topico 1 - 90%conseguem

1 ao deixar-lo de brucos , levanta a cabeca
2 ao movimentar lentamente um objeto na frente do rosto dele , ele o segue movendo a cabeça em ate 180 graus
3 segura as duas mãos juntas
4 da risada e gritos de alegria

Topico 2 - 75%conseguem

1 ao deixar-lo de brucos , sustenta por um momento a cabeca e os ombros
2 mexem o corpo virando de um lado
3 observa com interesse pequenos objetos `a sua frente
4 da gritos de alegria quando a mamae brinca com ele
5 estica as maos quando encontra objetos de seu interesse

Topico 3 - 50%conseguem

1 ao segurar-lo sentado , consegue sustentar a cabeca e o corpo
2 conhece a voz da mamae
3 emite sons tentando falar
4 ao estar incomodado , ao inves do choro emite sons irritado

Topico 4 - 25%conseguem

1 ao levantar-lo pelas maos , faz forca para esticar as pernas
2 ao deixar-lo sentado com travesseiros em sua volta , consegue se manter sozinho por algum tempo
3 gira o corpo em direccao de um ruido
4 ao tentar tirar um brinquedo com o qual esta brincando , agarra com forca ou chora bravo

Atividades educativas que podem ser feitas:

Incentive-o a levantar o peito apoiando as maos quando deitado de brucos

* Deite o bebe de brucos no chao e chame a sua atencao balancando algum brinquedo ou objeto sonoro , fazendo-o olhar para cima.

* Coloque um espelho na frente do bebe deitado de brucos, e levante-o um pouco incentivando-o a levantar a cabeca.
Assim o bebe estara desenvolvendo os musculos dos bracos , barriga e pescoco.

Sorrir olhando para o rosto da mamae

* Deite o bebe e converse com ele sorrindo.Quando ele estiver te olhando , faca cocegas de leve na barriga fazendo-o sorrir tambem.

* Mexa a sua boca fazendo barulinhos distintos chamando a atencao do bebe.

* Faca-o sorrir ao brincar com o bebe , fazendo varias caretas , como cara de brava , de assustada , feliz , etc.

http://www.e-familynet.com/artigos/articles.php?article=1550

SONO do BEBÊ AOS 4 MESES DE IDADE

Bebês de quatro meses de idade

1. Tente evitar a alimentação das duas da manhã antes que isto torne um hábito.

Perto dos 4 meses de idade, seu bebê (que toma mamadeira) não precisará ser alimentado mais que quatro vezes por dia. Bebês que mamam no peito não precisam de mais que cinco mamadas no dia. Se não eliminar a alimentação da noite nesta hora, ficará mais difícil parar assim que a criança crescer. Lembre-se de dar a última alimentação às 10 ou 11 da noite. Se o bebê chorar à noite, conforte-o com uma massagem nas costas e algumas palavras suaves em vez de alimentá-lo.

Note: Alguns bebês que mamam no peito continuarão precisando de uma alimentação durante à noite.

2. Não permita que o bebê segure a mamadeira ou leve a mamadeira com ele.

Bebês podem pensar que a mamadeira pertence aos pais. Uma mamadeira na cama leva a um choro no meio da noite porque seu bebê inevitavelmente irá alcançá-la e encontrá-la vazia ou no chão.

3. Faça com que qualquer contato no meio da noite seja breve e tedioso.

Toda criança tem quatro ou cinco despertares em cada noite. Elas precisam aprender como voltar a dormir sozinhas nestas horas.

Se o bebê chorar mais que alguns minutos, visite-o mas não acenda a luz, brinque com ele, ou leve-o para fora do berço. Conforte-o com algumas palavras suaves e fique com ele por menos de um minuto. Se o bebê estiver de pé no berço, não tente deitá-lo. Ele pode fazer isso sozinho. Se o choro continuar por mais de dez minutos, acalme-o e fique no quarto até ele adormecer. (Exceções: se sentir que o bebê está doente, faminto ou amedrontado.)

http://www.universodobebe.com.br/site/sono.php

domingo, 16 de maio de 2010

QUEDA DE CABELO PÓS-PARTO


QUEDA DE CABELO PÓS-PARTO

Bom... meu cabelo já cai bastante, mas agora mesmooooo... a RAFAELA vai fazer 4 meses semana que vem e meu cabelo continuaaaaaa caindo... dá pra fazer uma peruca dos fios pela casa... aff.... e o ânimo pra faxina????? aff..... ehhe...
fui pesquisar na net... e vi que devido ao desequilibrio de hormonal - cabelo e amamentação .

agora as fontes:
http://belezaesaude.dae.com.br/queda-de-cabelo/
http://www.sitemedico.com.br/sm/materias/index.php?mat=1641

Pós-parto

Geralmente após o parto, ocorrem casos de queda de cabelo em algumas mulheres. Porém, essa queda é perfeitamente normal, ocorrendo enquanto o organismo da mulher se recupera dos desequilíbrios hormonais da gravidez. Outro fator agravante é a amamentação — período em que a mãe dispõe de muitos nutrientes para o bebê através do leite.

A queda de cabelo normalmente inicia-se de 2 a 3 meses após o parto, normalizando-se naturalmente no prazo de 1 a 6 meses.

Durante este período, valem os conselhos habituais: evite banhos muito quentes, escovação exagerada e realize massagens no couro cabeludo com as pontas dos dedos. Não há restrições após o parto com relação ao uso de tinturas, tonalizantes e procedimentos químicos – como permanente e alisamento.


Cabelos e pós-parto
Um dos incômodos que afetam a mulher no pós-parto é a queda capilar em excesso.

O problema, que é passageiro e acaba logo que a criança desmamar, aparece de uma a duas semanas depois do nascimento, quando a produção do leite está mais intensa. Mas por que isso acontece e o que fazer para amenizar o incômodo?

Essa mudança é por causa do desvio de nutrientes que vão para o leite materno. "Geralmente, os níveis da vitamina A, que dão vida aos cabelos, vão para o leite, fazendo com que os fios percam sua força, brilho e maciez, deixando-os, em alguns casos, até mais fino", afirma o consultor técnico da Condor, Gennaro Preite.

O cabeleireiro comenta ainda que é interessante cortá-lo de dois em dois meses, assim a madeixa será estimulada a crescer e se renovar.

Há casos em que os médicos recomendam a reposição de algumas vitaminas para reestruturação dos cabelos, unhas e pele.

Para amenizar os efeitos da queda, o indicado é não usar cremes alisantes, escovas progressivas, assim não há riscos das camadas do fio serem alteradas violentamente.

"Os xampus também devem ser trocados pelos com pH neutro. O mesmo deve acontecer com as tinturas permanentes que só devem ser usadas após o sexto mês de amamentação. Prefira, enquanto isso, os xampus tonalizantes", afirma Preite.

Repor a vitamina A por meio de uma dieta balanceada é a melhor opção. Melão, manga madura, damasco (fresco), caqui, pêssego, alface, abóbora, brócolis, cenoura crua são alguns dos itens que não podem faltar no cardápio, além, claro, de beber muita água para regular os níveis de hidratação natural do corpo e a umidade dos fios.



MAIS DE 85 MIL VISITAS...


MAIS DE 85 MIL VISITAS...
OBRIGADA PELOS ACESSOS :)
OBRIGADA A TODOS QUE COMENTAM, QUE DIZEM O QUE FOI VÁLIDO COMO LEITURA...
BEIJOS E BOM DOMINGO!!!!!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

CORTE DO CABELO PÓS PARTO

O corte de cabelo mais adequado
Depois que o bebê nasce, você tem pouquíssimo tempo para cuidar dos cabelos - pentear, ajeitar, hidratar. Por causa disso, uma atitude para lá de comum nessa fase é ir a um salão e cortar, bem curtinho. Mas será que essa é a melhor alternativa? Muitos cabeleireiros dizem que não. O ideal, segundo eles, é optar pelo visual que tenha praticidade e tudo a ver com o rosto e o estilo da mamãe. Confira, então, as dicas desses profissionais para manter os fios em ordem mesmo no pós-parto.
Por Shâmia Salem
Depois de dar à luz, muitas mulheres acreditam que tosar os fios é a melhor saída para não perder tempo com o cabelo - e poder se dedicar totalmente ao bebê. Ledo engano. Os especialistas são unânimes em afirmar que o curtinho nem sempre é um sinônimo de praticidade. "Diferentemente do que muita gente pensa, o estilo joãozinho não dispensa pente, hidratação regular e finalizadores. Além disso, é preciso cortá-lo a cada 20 ou 30 dias, no máximo, para ficar sempre bonito", avisa o cabeleireiro Eron Araújo, do salão Studio W Iguatemi, em São Paulo. Como regra geral, o cabelo prático é aquele que você pode prender para disfarçar os fios sujos, ressecados ou sem corte. "Por isso, sempre indico o comprimento médio e sem franja, que é outra coisa que dá um trabalhão. E isso vale para lisos, crespos e ondulados", completa o cabeleireiro Fernando Cassolari, do salão Ricardo Cassolari, em São Paulo.

Quando a mulher está com um recém-nascido em casa, Eron Araújo jura que só pega na tesoura depois de ter uma boa conversa com a mãe. "Na ânsia de resolver o problema, elas se de analisar se o corte vai combinar com o rosto e o cabelo. Daí, podem se arrepender e, geralmente, a única opção é esperar que o cabelo cresça", alerta o expert.
Para que nada disso aconteça com você, levantamos os melhores cortes para curtos, médios e longos, seja qual for a textura deles, e a saída ideal para quem não abre mão da franja. Vale lembrar que os cortes, mesmo os mais práticos, duram cerca de três meses.

Curto
Só vale a pena se for desconectado, com as pontas superdesfiadas com tesoura ou navalha, o que ainda imprime ousadia e liberta da preocupação de deixar os fios alinhados. "Caso contrário, prepare-se para viver às voltas com pomada, gel, musse e companhia e bater ponto no salão a cada 20 ou 30 dias, no máximo, para manter as linhas do corte", alerta o cabeleireiro Robson Trindade, do salão Red Door, em São Paulo.

Médio
O comprimento nos ombros é o mais aconselhável para quem é mãe, já que dá para fazer todo tipo de penteado: coque, trança, rabo de cavalo - curingas para aqueles dias em que não dá tempo de lavar a cabeça. Para ficar atual, a base deve ser reta e o comprimento, repicado, feito com as mechas a 45 graus e começando na altura do nariz. Esse picote confere um ondulado suave e volume sob medida quando os fios secam ao natural, só com um leave-in. "Desfie as pontas para dar mais leveza aos crespos ou volumosos e as camadas para obter o mesmo efeito nos lisos ou grossos", ensina Fernando Cassolari.
Longo
Esqueça o corte geométrico, feito em linhas retas, a não ser que você queira bater ponto no salão a cada 15 dias! O segredo do sucesso é cortar as mechas, levantando-as a 90 graus, e começar a tosar a partir do queixo. "Quem tem bastante cabelo pode fazer três ou quatro camadas, mas, se ele for ralo ou fino, duas são suficientes", afirma Eron Araújo. E atenção: quanto menos certinho for o repicado, maior a praticidade, já que não revela a perda de corte tão cedo.

Franja
Fuja dela, principalmente a do estilo cortininha, que tem base reta e cobre a testa, ou se o seu cabelo for crespo ou ondulado - o risco aqui é você ter que escová-la diariamente para mantê-la no lugar. "Para quem não abre mão desse look, a melhor opção é a diagonal, que começa na altura dos olhos e vai até o nariz ou o queixo, porque dá para prender atrás da orelha ou com um grampo", aponta Eron Araújo.

5 dicas para deixar o cabelo com visual ajeitado
Para controlar o volume
Espalhe no comprimento seco ou úmido o equivalente a uma bola de tênis de musse e, com as mãos, amasse as pontas em direção à raiz. Deixe secar ao natural.

Ondulado natural
Umedeça os fios, aplique leave-in e faça um coque frouxo no alto da cabeça. Solte quando secar.
Rabo de cavalo
Ele fica chique se for feito no alto da cabeça, com a franja caindo de lado e colocada atrás da orelha.
CoqueDá para desfilar um coque estilo deusa grega repartindo o cabelo ao meio. Na sequência, amarre um rabo alto, torça e passe os fios ao redor do elástico. Prenda com grampos.

Escova rápida
Se quiser fazer uma escova rápida, espalhe meia bola de musse no comprimento e se preocupe mais em alisar a parte de cima da cabeça.


http://bebe.abril.com.br/familia/sermae/corte-de-cabelo-mais-adequado.php?utm_source=news-bebe&utm_medium=news-bebe&utm_campaign=news-bebe



A RAFAELA ESTAVA COM 3 MESES E RESOLVI CORTAR O MEU CABELO TB... PRA FACILITAR... ADOREI...
ESSE É O ANTES
ESSE É O DEPOIS...

FICOU PRÁTICO PRA PEGAR A FOFUXA NO COLO, TROCAR FRALDAS... :)
E FORA Q SEMPRE É BOM MUDAR NE???????